O Mercosul surgiu em meio à grande movimentação de vários países do mundo com vistas à superação de sua impotência diante do crescimento vigoroso de algumas economias e a fragilidade de outras. Sua criação coincidiu, no tempo, com a formação do Nafta (acordo entre Estados Unidos, Canadá e México) e o projeto da Associação de Livre Comércio das Américas (Alca).

O fracasso da Associação Latino Americana de Livre Comércio (Alalc) e o marasmo em que se encontrava a Associação Latino Americana de Integração (Aladi) não chegaram a constituir razões para descrença na Argentina, no Brasil, no Paraguai e no Uruguai quanto ao futuro da organização. Pelo contrário, o resultado não poderia ter sido melhor. Nos primeiros quatro anos desde o Tratado de Assunção, de 1991, quadruplicou o fluxo de comércio entre os países do bloco. Países vizinhos vislumbraram o êxito do Mercosul, como o Chile e a Bolívia, que se tornaram sócios através de acordos de comércio, firmados, respectivamente, em 1996 e 1997. Mais recentemente, novos acordos foram assinados com outros países.

      Em que pese a evolução em um sentido, persistem os entraves à integração plena, em especial devido à inexistência de um efetivo sistema de solução de controvérsias com caráter supraestatal. Sérias divergências precisam ser contornadas. O primeiro grande desafio, e, por sinal, o mais urgente, é promover a harmonização da legislação tributária dos países. Serão fortalecidos o bem-estar e o padrão de vida dos povos da região, beneficiados pela distribuição de rendas mais eqüitativa. Por isso mesmo, a preocupação com a harmonização da legislação tributária não é meramente formal ou acadêmica, uma vez que repercute no quotidiano das pessoas.

      A harmonização, diga-se, pressupõe o regular funcionamento dos organismos supraestatais. Cabe ressaltar, sobre o assunto, que as Constituições do Brasil e do Uruguai sequer abrigam dispositivos sobre a internalização das normas intergovernamentais, como ocorre com as cartas dos dois outros Estados-membros. Por outro lado, as distorções e a falta de simetria na estrutura tributária, que atinge diretamente os fatores de produção, interferem de forma sensível na produção e na circulação de bens pelos territórios, deslocando o eixo da absorção de recursos e os investimentos.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Logística:
Safra de cana pode ter até 6% de queda
Lombadas desligadas a partir de quinta-feira
BR-040 terá reversão de pista na Serra de Petrópolis
DNIT realiza audiência pública para as obras de restauração em SC
Scania marca presença em um dos maiores eventos de etanol do mundo
CCR ViaOeste traz simulador de caminhão para usuários da Castello Branco

Brasil:
10/10/2011 - 17h39 - Marco Maia nega interferência em atividades da Polícia Legislativa
10/10/2011 - 17h00 - Vistoria aponta situação degradante em postos de saúde de aldeias
10/10/2011 - 16h47 - Presidente do PMDB defende enxugamento de 10 dos 38 ministérios
10/10/2011 - 16h31 - Em sessão esvaziada, dólar alcança R$ 1,76; Bovespa ganha 2,9%
10/10/2011 - 16h13 - Polícia prende suspeito de assassinar líder rural no Pará

Informática:
10/10/2011 - 17h40 - Laudo da morte de Jobs é divulgado e aponta parada respiratória
10/10/2011 - 17h14 - Estudante de design admite que não inventou logo com Jobs
10/10/2011 - 16h58 - E-mail do BlackBerry sai do ar na Europa, África e Índia
10/10/2011 - 16h36 - Estúdios de Hollywood apostam em serviços de computação na nuvem
10/10/2011 - 13h57 - Apesar de protestos, Facebook mantém página com piada sobre estupro